sábado, 19 de junho de 2010

Crônica - Meu ponto cardeal

Hoje o sol nasceu lá na frente de casa, baixinho, bem no meio da forquilha da roseira plantada no comecinho do quintal. Ao lado, à esquerda, fica a quina do muro. Sobe dele um poste, de onde descem os fios que trazem para dentro de casa a luz e a força, a comunicação, o entretenimento, as notícias boas como também as ruins, se elas existirem.

Mas é à direita, entre o portão pequeno e o grande, que fica a caixa de correspondência. Às vezes chegam propagandas. Muito raramente recebo a carta de um parente. Boa parte deles usa, hoje em dia, a tecnologia para se corresponder. Caneta e papel são ferramentas dos mais saudosos, que tentam colocar os corações nas escritas.

Ali naquele ponto do muro, perto de um palmo à esquerda de onde o sol nasce, tem um pequeno lascado no cimento. Foi onde entrou uma pedra no meu quintal, anos atrás, quando briguei com um vizinho. Brincávamos de bola e tinhamos como regra que toda brincadeira terminava em briga.

Lá atrás do muro e das grades do portão tem uma calçada. Em alguns pontos dela as rachaduras são enormes. Há crateras, onde o cimento esfarelado se foi e a terra fica à vista. Ali começa a vida do lado de fora, bem onde o sol surge e todas as entradas de minha casa se abrem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PARTICIPE: