quarta-feira, 22 de julho de 2015

REPORTAGEM – Gente boa de um lugar bom (2)

Caetano Petrone, 87 anos de idade, quer ser nome de rua. “Nem que seja uma rua de favela, em qualquer lugar de Londrina”, confidencia. Ele manifestou seu desejo durante entrevista ao jornalista de O Cotidiano em Letras e pediu uma forcinha para que o mesmo intercedesse junto aos vereadores da cidade.




Nas fotos, Petrone sorri ao confessar que pretende deixar 
o seu nome para as gerações futuras. Abaixo, a casa 
que ele adquiriu na Rua Tefé.


Um mineiro de coração londrinense


            Era um 15 de maio do ano de 1950. Naquela data, o jovem mineiro de Montes Claros, Caetano Petrone, chegou à macrorregião de Londrina hoje conhecida como Vila Nova. Mas, na verdade, o lugar onde ele se instalou com a família é uma subdivisão, chamada de Vila Adolfo.
            Rua Tefé, número 211, fundos. É onde o pioneiro mora, numa casa de alvenaria. Ao lado, rente à calçada que, descendo, leva para a Rua Araguaia, e subindo encaminha para a Avenida Arcebispo Dom Geraldo Magella (Leste-Oeste), existe ainda a casa de madeira, pintada de verde escuro, que Caetano comprou do alemão que na época era construtor.
            O pioneiro exibe orgulhoso aquela casa e até posa para uma fotografia no portão. Viúvo há pouco mais de quatro anos, ele viveu com a falecida esposa, Amália Petrone, por 42 anos e seis meses. “A Rua Capiberibe era uma sítio quando cheguei aqui”, informa, referindo-se a uma das via próximas de onde mora.
            A Capiberibe é uma das transversais da Rua Araguaia, que já abrigou cinema, associação reacreativa, salão de baile, sede de escola de samba e um comércio outrora pujante, além de abrigar o antigo Grupo Escolar Nilo Peçanha, hoje estabelecimento estadual de ensino, e o Albergue Noturno.
            Perto de onde Caetano mora há um outro marco, religioso: o Santuário de Nossa Senhora Aparecida, na Rua Grajaú. Atualmente, além do comércio de produtos básicos do lar há lojas de autopeças, oficinas variadas de carros e motos, prestadores de serviços e até uma fábrica de guarda-chuva. O Bazar Santa Marta, quase em frente ao Albergue Noturno, mantém as portas abertas há 35 anos.
            “Isto aqui já foi um bom lugar”, diz seu Caetano Petrone. “Hoje é perigoso passar à noite por alguns lugares da Rua Araguaia. Tem drogas, barulheira e confusão”, acrescenta.
            O mineiro nasceu no dia da Independência: 7 de setembro de 1928. Sempre ligado à terra, trabalhou nas lavouras de café, milho, arroz e feijão, entre outros. Ele está na expectativa de receber o contato de algum vereador de Londrina. Quem sabe ele ganhe, no futuro, uma placa de nome de rua nesta grande cidade que ele tem como algo que é muito seu.

video

 O pedido de Caetano, em vídeo


Cinema e depois bailão. Agora é loja


            Antonio Tessaro, 55 anos, morou na mesma rua de Caetano Petrone até os cinco anos de idade. Depois a família saiu da Vila Nova. Mas o coração permaneceu por ali. Tanto que, já adulto, o comerciante formado em Teologia e em Direito se estabeleceu na Rua Araguaia.
            Pai de Gabriel, que pretende cursar veterinária, e de Priscila, da área de fisioterapia, Tessaro é dono de um negócio interessante: produtos para o comércio, inclusive manequins, cabides, banquetas, araras para confecções e muito mais. Uma das lojas está na Rua Sergipe, no Centro de Londrina, e a outra na Rua Araguaia, onde funcionou o primeiro cinema em um bairro da cidade, o Espacial.
            “O cinema foi construído pelo italiano Tomazzo Rotondo”, lembra Antonio Tessaro. “Depois do cinema funcionou aqui a Estância Gaúcha, com seus bailões. Agora eu estou aqui no térreo e em cima funciona uma igreja”, acrescenta.
            Antes de ocupar a sede do antigo cinema, a loja de Tessaro funcionava num prédio ao lado, também na Rua Araguaia. Um incêndio, segundo ele, levou o estabelecimento para onde as gerações passadas assistiram muitos filmes de bang bang.




Nas fotos, a fachada da loja e Antonio Tessaro, 
pronto para atender no balcão do seu estabelecimento




Nenhum comentário:

Postar um comentário

PARTICIPE: